INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Artigos
 
Ampulárias sendo sugadas por filtros
 
Prevenção e solução deste problema relativamente comum com Ampulárias

Ampulária morta ao ser sugada por um filtro. Neste caso, a animal foi sugado pela porção superior do filtro, próximo ao cabo de força, um local totalmete inesperado para este acidente. Imagens gentilmente cedidas por Omar Hmoud.


Ampulárias sendo sugadas por filtros


Um problema grave e relativamente comum que pode acontecer em aquários com caramujos é a aspiração de parte do corpo destes animais pela entrada do filtro. O bocal por onde entra a água de qualquer filtro de aquário (hang-on, canisters, filtros internos, entradas de powerheads) apresenta uma ameaça para muitos gastrópodes. O problema não se limita às ampulárias, estes mecanismos são um assassino frequente e causa de lesões graves não apenas para caramujos de água doce, mas também muitos gastrópodes marinhos, como lesmas-do-mar e aplísias. Qualquer gastrópode com um pé que possa se estender em espaços pequenos está em risco quando colocado em um tanque com um tubo de entrada do filtro, mesmo quando uma tampa protetora de plástico é usada para evitar que os peixes se machuquem. Pequenos gastrópodes podem ficar presos facilmente, incapazes de se afastar da sucção. Os gastrópodes maiores podem tentar comer os detritos que se acumulam na entrada do filtro e acidentalmente seu pé ou boca podem escorregar através das fendas do plástico. Como agravante, o ferimento e a própria sucção podem criar problemas circulatórios que resultam em inchaço do pé, prendendo o animal.

 


Prevenção


Em aquários com estes invertebrados, o ideal é que todas as entradas de filtro sejam protegidas não apenas com aquela tampa de plástico que já é vendida com o filtro, mas também com uma proteção adicional de algum material poroso. Muitos utilizam uma fina camada de esponja ou outro material filtrante (perlon, tule), mas o problema é que estes materiais com poros muito finos tendem a acumular sujeira muito facilmente, e entupir. Por este motivo, algumas coberturas de esponja vendidas para aquários de camarões são desproporcionalmente grandes, com o intuito de retardar sua obstrução por detritos. Uma alternativa são as peças com telas de metal usadas para cobrir ralos e saídas de torneiras, especialmente para animais menores (veja observação adiante). Independente do material, ele deve cobrir toda a entrada do filtro. E deve ter um ajuste suficientemente apertado para que seja difícil de retirar, ou deve ser fixado de alguma outra forma, por exemplo, com uma faixa de borracha. Não use arames, lembrando que o ferro se oxida, e o cobre é extremamente tóxico para invertebrados.


Percebam que a peça de plástico que cobre a entrada do filtro (que já vem com o filtro) tem uma forma alongada e com fendas. O objetivo é aumentar a área através da qual os detritos teriam que passar antes de entrar no cano do filtro propriamente dito. Sempre que possível, o material poroso deve ser colocado sobre a peça protetora da entrada do filtro, e não diretamente sobre seu bocal estreito. Isto porque, em gastrópodes de maiores dimensões, o grande pé pode recobrir toda a área do bocal de entrada do filtro, com ou sem a proteção extra. Neste caso, a sucção vai prender o animal, mesmo com a proteção adicional.


Outra opção interessante é usar um FBF (filtro biológico de fundo, aquele das placas sobre o substrato), um sistema antigo e controverso de filtragem, cada vez menos utilizado, mas que não teria este perigo de sucção.

 


A remoção de caramujos que ficaram presos


Ampulárias muitas vezes sobrevivem ao ficarem presos, mas podem ser mortos no processo de remoção, se manuseados incorretamente. As seguintes informações sobre a remoção de gastrópodes presos são aplicáveis ​​tanto para os animais de água doce como para os moluscos marinhos.


1. Não entre em pânico. Os gastrópodes têm um tecido macio e frouxo, e um desequilíbrio no sistema circulatório pode causar distorções extremas de tamanho, as porções presas do pé ou outros tecidos moles podem dobrar, triplicar ou mesmo quadruplicar em volume quando a circulação é comprometida, devido à compressão do corpo do animal combinada com a sucção do filtro. Só porque o animal parece completamente inchado e deformado não significa que a lesão é grave, e também não significa que o caramujo não terá uma recuperação rápida e completa. Em Ampulárias, Physas e muitas espécies marinhas, as áreas inchadas podem ficar azuis. Isto não é descoloração, é porque estes caramujos têm hemocianina em seu sangue, um composto que faz a cor do sangue variar de azul a transparente, dependendo de quão oxigenado ele está. Planorbídeos (“Ramshorns”) maiores têm hemoglobina em vez de hemocianina em seu sangue, desta forma, as áreas inchadas provavelmente estarão arroxeadas.


2. Não tente libertar o caramujo puxando-o. O tecido inchado estará friável e mais frágil, fazer isso pode levar o tecido a ser rasgado ou arrancado, resultando em grave sangramento. Em vez disso, desligue o filtro e remova a parte do filtro que o animal está preso. Dependendo do modelo de filtro, talvez você precise remover todo o filtro junto com o caramujo. Se não houver outros seres no aquário que possam assediar o caramujo, ele pode permanecer no próprio tanque por um tempo. Caso contrário, separe-o em um recipiente com água do tanque, ainda com a peça do filtro preso a ele. No que diz respeito aos gastrópodes marinhos, se o animal for de alguma espécie que produza substâncias químicas que possam ter um efeito prejudicial sobre os demais habitantes se libertado na água, retire o animal para outro recipiente como precaução.


3. Se você não conseguir ver como o caramujo está preso, aguarde a melhora do inchaço antes de tentar ajudá-lo. Especialmente para grandes gastrópodes, tentar libertá-lo quando você não pode ter uma visão clara do problema irá aumentar a chance de mais lesões. O edema não vai regredir imediatamente, mas sem a sucção do filtro o inchaço vai melhorar num período de 2 a 3 horas, às vezes mais tempo. É melhor permitir que o inchaço reduza o tanto quanto possível antes de tentar qualquer outra ação. Se houver uma mudança visível após 15 minutos e o caramujo continuar ativo, aguarde mais 15 minutos e verifique novamente até que o inchaço tenha atingido um mínimo. Muitas vezes a espera é tudo que é necessário para o caramujo libertar-se sem ajuda.


4. Enquanto espera o inchaço regredir, talvez você possa ir procurando as ferramentas que você pode precisar no caso do caramujo não conseguir libertar-se. Uma vez que o período de espera pode ser de horas, isso pode ser tempo suficiente para correr para alguma loja se estiver faltando alguma coisa. As ferramentas mais importantes são uma lanterna forte ou outra fonte de luz e um alicate de corte pequeno. Não use tesouras, facas, serras ou qualquer outra ferramenta cortante - estes podem levar o plástico a quebrar de forma imprevisível. O melhor é que o alicate tenha as lâminas o menor possível, mas os cabos mais longos permitirão um controle melhor do procedimento. Joalheiros usam frequentemente alicates bem pequenos, assim, estas ferramentas podem ser encontradas em lojas de artesanato. Lojas de eletrônicos podem ou não ter alicates que sejam estreitos o suficiente para caber nas fendas de uma cobertura de entrada do filtro. Mesmo se as lâminas caibam completamente nos entalhes para cortar as barras individuais do plástico, alicates do tipo cortadores de unha são ainda mais úteis para escavar lentamente através do plástico e conseguir o mesmo resultado. Ter uma segunda pessoa à disposição para ajudar a operação final também é interessante, uma vez que você pode precisar de iluminação em um ângulo diferente ou um segundo par de mãos para segurar o caramujo e/ou a entrada do filtro. Isto é especialmente verdadeiro para os gastrópodes grandes que podem não ser cooperativos e tentar escapar das suas mãos.


5. Não execute a operação final no aquário. Ferramentas como alicates podem ter graxa nas suas juntas e não devem entrar em contato com a água do tanque principal. Se o animal precisa permanecer submerso, ele deve estar em um recipiente com água do tanque que deverá ser jogado fora uma vez terminado. Corte a proteção do filtro lentamente, uma pequena peça de cada vez e começando da extremidade aberta para evitar que a peça plástica solte lascas ou rache de forma inesperada. Fazendo desta forma, isto irá destruir completamente a sua entrada de filtro, mas minimizar o torque sobre áreas próximas ao local onde o caramujo está preso. Se a proteção do filtro é grande e pesada, pode ser melhor primeiro cortar fora tudo, exceto a área ao redor do caramujo, para conseguir uma melhor visão e planejar o que precisa ser cortado a seguir. Quando você tiver acesso fácil, tente fazer cortes sucessivos removendo as barras de plástico que estão prendendo o animal, mas faça os cortes o mais longe possível do tecido do caramujo para a sua segurança.


6. Se o tecido do caramujo estiver inchado ao ponto de estar "segurando" uma ou mais barras de plástico, não tente se livrar delas imediatamente. Quando o resto da proteção de plástico tiver sido removido, a redução da pressão irá permitir que o inchaço regrida completamente. Mesmo que algumas barras de plástico sejam deixadas, eles vão se soltar uma vez que o inchaço tenha desaparecido por completo.

 


Após a remoção


O caramujo deve ser examinado com cuidado, procurando por ferimentos. Sua concha deve ser examinada também, pelo risco de rachaduras. O pé de gastrópodes é uma estrutura essencialmente muscular, irá se regenerar quase que por completo. Dependendo da fauna do aquário principal, talvez seja necessário separar o animal em outro aquário, até sua recuperação completa. Via de regra, não são necessários medicamentos, somente o cuidado com a qualidade da água e alimentação. Obviamente, o acidente deve servir como um alerta, toda a filtragem do aquário deve ser repensada, para que o problema não se repita.









Ferimento no pé de uma 
Pomacea diffusa, provável acidente com filtro. A sequência de fotos mostra a regeneração do pé. Fotos de Kauê Braga.



Agradecimentos a Stijn Ghesquiere, responsável pelo portal  applesnail.net , este artigo é baseado em um tópico fixo no fórum deste portal. Agradecemos também aos aquaristas Omar Hmoud e Kauê Braga por nos permitir usar suas fotos.

VEJA TAMBÉM
   
Erosão na Concha de Moluscos
Edson Paveloski Jr. e Walther Ishikawa - E...
Saiba mais
   
- Lista de Lagostins nativos brasileiros
Lista de "Parastacus" brasileiros
Saiba mais
   
Classificação dos Camarões Red Crystal
Chantal Wagner - Classificação dos Camarõe...
Saiba mais
   
Sexagem das Ampulárias
Walther Ishikawa - Sexagem das Ampulárias
Saiba mais
   
Meu Lagostim ficou Azul!!
Cores e Mudanças de Cores nos Lagostins
Saiba mais
   
Nova espécie de esponja de água doce!
Nova espécie de esponja continental descob...
Saiba mais
   
Trocando a água durante o inverno
Kensin - Você pode trocar a água do seu aq...
Saiba mais
   
Caranguejos Chama-Maré 1 - Informações gerais
Walther Ishikawa - Caranguejos Chama-Maré ...
Saiba mais
   
Armadilha para Larvas de Mosquito
Mateus Camboim - Larvas de Mosquito: Como ...
Saiba mais
   
Doenças de Ampulárias - Tecidos Moles
Artigo abordando as principais doenças que...
Saiba mais
   
Reprodução das Medusas de Água Doce 2
Gen-yu Sasaki - Reprodução sexuada do "C. ...
Saiba mais
   
Diferenciando Pitus e Camarões-Fantasma
Diferenciando Pitus e Camarões-Fantasma: M...
Saiba mais
 
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2019 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS