INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Artigos
 
Armadilha para Larvas de Mosquito
 
Mateus Camboim - Larvas de Mosquito: Como obter de forma responsável
Olá,

Com a chegada do nosso verão tropical, chega também um problema recorrente: a temporada de maior intensidade reprodutiva dos mosquitos. E isso pode representar um fato positivo para os aquaristas: a oportunidade de obter larvas fresquinhas, um excelente alimento vivo para seus peixes.

Essas larvas são um ótimo alimento alternativo, podendo ser inclusive oferecidas diariamente. Riquíssimas em proteínas, também possuem sais minerais e outras substâncias importantes para o metabolismo dos peixes. Geralmente são encontrados liofilizados (desidratados) os BloodWorms (forma larval dos algumas espécies de mosquitos da Família Chironomidae), em embalagens práticas, nas lojas especializadas. Apesar de ser uma opção consideravelmente mais fácil, o fato das larvas estarem vivas é um fator muito mais atrativo aos animais: quem já ofereceu larvas vivas aos peixes sabe o frenesi que ocorre. Tanto pela cor como pelo movimento, chamam a atenção até dos peixes mais tímidos, além de reanimar e ajudar na recuperação daqueles que passam por algum tratamento estressante.

Todavia, o risco de doenças sempre se encontra presente: essencialmente quando falamos em mosquitos. Automaticamente associamos esse inseto (especialmente do gênero Aedes, o A. aegypti) ao verão e também às doenças por ele transmitidas, como Dengue e Febre Amarela. Tanto é que esse inseto vetor de tais enfermidades estimula todos os anos inúmeras campanhas por todo o país, que instruem a população em geral a como prevenir sua reprodução e consequente propagação (evitando água parada, por exemplo).

Alguns aquaristas, mais por desinformação do que qualquer outra coisa, ao tentar conseguir larvas de mosquito acabam agindo de forma irresponsável: deixam recipientes com água limpa espalhados pelo pátio, na esperança que mosquitos lá depositem seus ovos. A irresponsabilidade consiste no fato de que a maioria se esquece deles, permitindo que o inseto passe por todas as etapas de seu desenvolvimento, atingindo a fase adulta e portanto representando risco para a população. E mesmo que o aquarista mantenha-se vigilante, não possui controle sobre o tempo de cada fase, então em uma manhã as larvas já são pupas por exemplo, na mesma tarde podem já ter se transformado em mosquitos adultos. Essa instabilidade é o que representa o perigo, não se consegue ter controle.

Salientando e repetindo, essa prática não deve ocorrer em hipótese alguma: jamais deixe recipientes com água espalhados pelo pátio, isso é correr risco e colocar sua família e sua comunidade em perigo!

Mas então, se isso é perigoso, como obter larvas de mosquitos vivas de forma segura? É fácil, basta usar uma armadilha para mosquitos ou mosquitoeira, uma engenhoca especial que de forma fácil e prática conseguirá muitas larvas para nossos peixes. Não é novidade, já existe e se aplica muito bem na nossa situação como aquaristas.

Essa armadilha é uma maneira muito eficiente e segura de combater os mosquitos de uma forma geral, é fácil de montar e pode ser feita por qualquer pessoa. Além de ser composta por materiais recicláveis, que inicialmente seriam descartados como lixo doméstico, não se usa produtos químicos tóxicos, que poderiam representar um perigo para a natureza, características que a torna ecologicamente correta.

Como fazer?

É realmente simples e fácil, exigindo materiais que praticamente sempre temos à nossa disposição: basicamente precisamos de uma garrafa PET comum (pode ser de qualquer tamanho a partir de 2 litros), um pedaço de tule (tecido com o metro vendido por R$1,00 ou R$2,00), alguma fita adesiva (tradicional, isolante ou crepe - mas dê preferência às que resistem à umidade, por exemplo) e alguns grãos.


Garrafa pet, tule, fita adesiva e grãos basicamente - materiais acessíveis e recicláveis.


Primeiramente deve-se cortar o topo da garrafa e aproximadamente um pouco abaixo da metade, formando um "círculo" ou "anel". Dependendo do formato da garrafa, pode acontecer de parecer difícil ou que não dará certo, mas com jeito acaba-se por cortar corretamente, nem que sejam desperdiçadas algumas outras até lá.


Corta-se o topo e um pouco abaixo da metade.


Focando na parte cortada de cima, retira-se a tampa e também a argola que lacra tampa, sem rompê-la. Isso é necessário, pois a usaremos mais tarde. Use um objeto pontiagudo para ajudar a retirá-la. Algumas fontes recomendam que se lixe bem a parte interna desse lado da garrafa, deixando-a bem áspera afim de que aumente a área de evaporação da água, facilitando que o mosquito encontre a armadilha. Se for fazer, essa é a hora (use uma lixa virgem).



Retira-se a tampa e a argola.


O passo seguinte é posicionar o pedaço de tule em cima da "boca" da garrafa, e recolocar a argola, prendendo-o. Se não quiser fazer dessa forma, não retire a argola e use um simples elástico amarelo (atílios), que o resultado será o mesmo. O tule serve para que a larva passe enquanto é pequenina, mas não consiga mais sair após crescer.


Prende-se o tule na "boca" da garrafa com a própria argola.


Para um melhor acabamento e também praticidade (para que as larvas não fiquem presas no excesso de tecido), cortamos as rebarbas de tule.


As rebarbas de tule devem ser retiradas.


Logo em seguida, colocar água até a metade da parte de baixo da garrafa. É importante que essa água seja limpa e desclorada. Usar água com cloro não vai impedir a proliferação de mosquitos, mas a atrasa um pouco. Coloque o suficiente para que quando encaixe a outra metade da garrafa, o gargalo fique parcialmente submerso.


Colocar água limpa e sem cloro (descansada) até a metade.


Para que o mosquito seja atraído, não basta ter apenas água, se faz necessário algum material orgânico, que sirva de alimento para as larvas. Se a fêmea perceber que seus filhotes terão alimento, ela depositará os ovos. Para isso basta usar grãos comuns, como de arroz ou alpiste (ou painço). Uns 2 ou 3 grãos de arroz ou 4 ou 6 de alpiste/painço já são suficiente, triturados ou inteiros, é indiferente. Se quiser, use um pedacinho de ração para gato triturada (não use de cães, pois é muito gordurosa, o que prejudica muito a funcionalidade da armadilha ao criar uma película oleosa na superfície).


Alguns poucos grãos para servirem de alimento.


Após, o próximo passo é encaixar a parte superior da garrafa na parte inferior, com o gargalo virado para baixo. Note que a água passou pelo gargalo e ficou exposta, e é ali onde a fêmea de mosquito depositará seus ovos, atraída pela umidade da água e pela presença de material orgânico.


Encaixar uma parte na outra, da forma mais lógica.


Agora basta vedar com alguma fita que resiste a umidade. Pode ser as mais comuns que temos em casa mesmo. A mais resistente é a fita isolante, que dura mais tempo sem se soltar. O importante mesmo que tenha uma boa vedação, não permitindo que nada saia ou entre pelas laterais da armadilha.


Vedar bem as laterais da armadilha.


E a armadilha está pronta! Basta agora escolher o melhor local, que será aquele que seja sombreado, pois a maioria dos mosquitos domésticos possui certa aversão à luz (especialmente o Mosquito da Dengue). É importante que seja fresco e ventilado, lugares abafados costumam ser descartados pela fêmea. Prefira locais como pátios e varandas, fora de casa e não muito movimentados.


Colocar então a armadilha em um lugar com sombra, arejado e pouco movimentado.


Com o passar dos dias, é natural que se crie um pouco de limo (algas vedes) ou outros detritos, não se preocupe. Inclusive muitas larvas utilizam esses materiais mais seus próprios excrementos como proteção, formando verdadeiros túneis. Mas nunca estará 100% limpo, até porque ao crescer as larvas trocam de pele.


Larvas aprisionadas e utilizadas antes que evoluam para o próximo estágio, pupar.


Um ponto interessante é que a armadilha pode prender diferentes tipos de mosquitos. Obviamente não são todas as espécies que depositam seus ovos em águas limpas e calmas, mas a maioria dos que encontramos em nosso país sim, nas zonas residenciais. Interessante por si só, observar o comportamento de cada tipo de larva, o tamanho, a cor etc. Dependendo de quantas posturas ocorreram, na mesma armadilha é possível encontrar a mesma espécie mas em diferentes tamanhos.

Uma larva muito comum é uma cor de sangue, vermelho bem vivo, grande e robusta, conhecida e comercializada como BloodWorm (foi citado no começo desse artigo), variedade bem recorrente. Ela atrai muito a atenção dos peixes, que ficam muito agitados e a devoram rapidamente.


BloodWorms e outra espécie de mosquito em fase larval, de diferentes tamanhos.


Para lavar é simples, basta ir colocando água e retirando os detritos, ou mesmo "coá-los" em água corrente, com um jato fraco para não matá-los, até porque o interessante é oferecê-los vivos. Dependendo do caso, basta retirá-los jogar aos peixes, pois a água em que estão já é desclorada. Se encontrar pupas, ofereça imediatamente, impedindo que consigam evoluir para mosquitos adultos.

Como funciona?

A armadilha funciona de forma tão simples e precisa como é feita: o mosquito fêmea detecta a umidade e se aproxima, percebe através de receptores a presença de alimento e deposita então seus ovos na beira da água. Após alguns dias os ovos eclodem e as larvas, ainda muito pequeninas, passam tranquilamente pelo tule, indo para o interior da armadilha. Após ganharem tamanho, já não conseguem voltar devido ao tamanho do tecido, sendo obrigados a permanecer na armadilha. Mesmo que passem pela metamorfose, do casulo ao mosquito adulto, o inseto não tem para onde ir, ficando preso (por isso é importante vedar bem com fita adesiva).

No caso de aquaristas, fica fácil conseguir larvas: basta verificar semanalmente a presença ou não de larvas, e quando detectar, basta acompanhar seu crescimento até o tamanho desejado (pode mudar dependendo do tamanho do peixe) e então abrir a armadilha, coletar as larvas, enxaguar se necessário e oferecer aos peixes. Novamente monta-se a armadilha normalmente, podendo se reutilizada inúmeras vezes.

No final das contas essa armadilha representa um benefício para a sociedade, além da simples fonte de alimento aos peixes ornamentais. Servir de alimento já á algo interessante, mas também combate os mosquitos de uma maneira geral e muito segura, pois mesmo que você esqueça que fez tal armadilha, os eventuais mosquitos aprisionados morrerão de qualquer maneira. Então, se esquecer, tais animais também são eliminados, servindo como utilidade para a comunidade, uma verdadeira ferramenta da defesa contra esses insetos transmissores de doenças.

Com a intenção de alimentar os peixes ou de eliminar focos de mosquitos e doenças, essa armadilha é eficiente, simples, segura e recomendada por e para todos. Aquaristas ou não, vale à pena montar pelo menos uma. Seus peixes agradecerão e sua comunidade também.

Abraços.



VEJA TAMBÉM
   
Armadilha para Larvas de Mosquito
Mateus Camboim - Larvas de Mosquito: Como ...
Saiba mais
   
Revisão da História da "Caridina cantonensis"
José María Requena - Revisão da História d...
Saiba mais
   
Experimentos de Dissolução de Conchas
Algumas experiências para avaliar a compos...
Saiba mais
   
- Lista de "Aegla" que ocorrem no Brasil
Lista de "Aegla" brasileiros
Saiba mais
   
Variedades de cor na "Pomacea diffusa" 2: Genética
Walther Ishikawa - Genética das Variedades...
Saiba mais
   
Meningite Eosinofílica e Angiostrongilíase
Walther Ishikawa - Infecção humana por Ang...
Saiba mais
   
Coloridos natural ou artificialmente?
Bill Southern - Um experimento se os camar...
Saiba mais
   
Cultivando Branchonetas
Marcio Luiz de Araujo - Cultivando Brancho...
Saiba mais
   
Identidade do Caridina “Crystal/Bee”
Walther Ishikawa - Sobre o artigo de Klotz...
Saiba mais
   
Cruzamentos seletivos de Ampulárias
Walther Ishikawa - Cruzamentos seletivos d...
Saiba mais
   
Algas Coralinas de Água Doce
Uma interessante descoberta de 2016, em um...
Saiba mais
   
Invertebrados Aquáticos: Uma Visão Global
Andrew Pollock - Uma visão geral sobre inv...
Saiba mais
 
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2017 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS