INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Artigos
 
Classificação e Taxonomia das "Pomacea"
 
Walther Ishikawa - Classificação das Ampulárias "Pomacea"

Artigo publicado em 11/03/2013, última revisão em 27/12/2015.


Classificação e Taxonomia das Pomacea


Historicamente, há uma grande confusão na identificação de espécies de Pomacea. Mais de 300 espécies foram descritas no gênero desde 1758, entretanto, a validade de várias destas espécies é questionada, hoje se aceita oficialmente cerca de 50 espécies, mas muitos autores acreditam que o número real deva ser ainda menor. O problema da taxonomia tradicional das Pomaceas é o fato da descrição de muitas espécies se basearem somente em detalhes morfológicos de conchas, não raro, da análise de um pequeno número de exemplares. Distribuições geográficas também não eram levadas em consideração, ignorando variações intraespecíficas.


Alguns exemplos evidentes de variações morfológicas na concha de Pomacea, demonstrando como a análise conquiliológica isolada não é confiável na identificação de espécies. Todas as imagens foram gentilmente cedidas por Bill Frank (Jacksonville Shell Club), são animais fotogarfados na Flórida, EUA (nativos e invasores):


Pomacea diffusa, à esquerda uma morfologia típica (46 mm), e à esquerda, um exemplar com espira anormalmente alta (64 mm). Note as suturas rasas e em ângulo reto, típico desta espécie.


Pomacea canaliculata, à esquerda um exemplar com espira alta (83 mm), e à esquerda, uma variação com concha bastante globosa. Note as suturas profundas, típicas de espécies deste complexo.


Pomacea canaliculata, à esquerda um exemplar com espira bastante baixa e plana, e à esquerda, um exemplar com concha mais típica. Note as suturas profundas, típicas de espécies deste complexo.


Pomacea canaliculata, à esquerda um exemplar com espira alta, e à esquerda, um exemplar com espira baixa.


Pomacea paludosa, à esquerda uma variante com espira bastante alta (53 mm), e à esquerda, uma outra variante com espira baixa e plana. A segunda variante mantém a sutura tpipica desta espécie (rasa, obtusa), mas note como na primeira variação a sutura passa a ser reta, lembrando bastante a Pomacea diffusa.



Na taxonomia tradicional, são reconhecidos três sub-gêneros: Pomacea (Pomacea) Perry 1610, Pomacea (Effusa) Jousseaume 1889 e Pomacea (Limnopomus) Dell 1904. A maioria dos autores não considera válida Limnopomus, considerando-a sinônimo de P. (Pomacea). Da mesma forma, muitos autores consideram bem estabelecido o sub-gênero Effusa, assumindo que é um grupo mais aparentado com as Marisa do que as demais Pomacea.


Uma nova classificação cladística


 

A partir da aceitação da teoria de Darwin, a classificação biológica passou a ser entendida, por muitos cientistas, como o reflexo das distâncias evolucionárias e das relações entre os organismos. A Filogenia é o estudo das relações evolutivas entre os organismos, e as linhagens (linhas de descendência) produzidas na história evolucionária desses organismos. A idéia central da análise filogenética é a hipótese da existência de relações de parentesco entre os diferentes grupos de organismos, a Cladística é um método utilizado para tentar achar estas relações de parentesco. O conceito básico por trás da Cladística é que membros de um determinado grupo de organismos dividem uma história evolucionária comum, e são mais "aparentados" entre si do que com membros de outros grupos. Assim, um fato notável desta taxonomia cladística (como muitas vezes lembra Richard Dawkins) é que ela não é nada subjetiva, e admite somente uma única classificação correta.

Assim, houve uma reviravolta dramática na própria metodologia da Sistemática, que evoluiu de uma disciplina preocupada com a classificação dos organismos para uma abordando a questão da reconstrução de histórias evolutivas das espécies. Para tal, ferramentas genéticas e moleculares têm sido bastante empregadas como um valioso aliado de análises morfológicas e biogeográficas, para a definição de espécies. A própria análise morfológica também foi refinada, com um estudo mais cuidadoso da sua anatomia interna, além de cruzamentos experimentais, provas imunológicas, etc.

 

Hoje se sabe com segurança que as Pomaceas são monofiléticas, ou seja, possuem uma origem evolutiva comum. Esta nova abordagem cladística divide as Pomaceas em alguns ramos (clados) e grupos, separando-os de acordo com sua ancestralidade. No diagrama abaixo, vocês podem ter uma visão geral desta nova classificação, mostrando uma Árvore Genética dos Ampularídeos Americanos, baseado no trabalho de Hayes et al, 2009 (veja bibliografia). Os próprios autores reforçam que esta nomenclatura utilizada é puramente prática e didática, e não deve ser vista como uma proposta formal de classificação.

 


 



Algumas observações importantes: este Cladograma foi construído baseado na análise de cinco genes, três nucleares (DNA ribossomal 18s, subunidade H3 de histona, e fator 1a de elongação – EF1a) e dois mitocondriais (DNA ribossomal 16S e subunidade I do Citocromo c oxidase - COI). Distâncias genéticas entre as espécies foram calculadas combinando-se estes dados, note que o cladograma exibe uma escala no topo, ou seja, as distâncias gráficas no diagrama refletem distâncias genéticas entre as espécies.

 

  • Ampularídeos formam um clado monofilético, incluindo-se espécies africanas (não demonstrado neste diagrama). O conjunto das espécies americanas e africanas também têm uma ancestralidade comum, formando dois clados irmãos reciprocamente monofiléticos.
  • Os gêneros sulamericanos Marisa e Pomacea não são monofiléticos.
  • A maioria das Pomacea forma um clado único, dentro do clado está inserido o Pomacea megastoma (que na ocasião do trabalho era classificada como Pomella), irmã do P. maculata.
  • Ampulárias do sub-gênero Effusa não são próximas dos Marisa, como se pensava. Ampulárias do antigo sub-gênero Limnopomus formam um clado bem definido, e talvez possam ser considerados um grupo válido.
  • Pomacea papyracea tem uma posição basal externamente a todos os demais Ampularídeos americanos, sugerindo que seja outro gênero, mas este fato mostrou uma evidência estatística somente moderada.


Uma análise dos diferentes clados de Ampularídeos Americanos segundo estes autores:


Clado Marisa


O gênero sulamericano Marisa não é monofilético, as duas espécies estudadas (M. cornuarietis e M. planogyra) pertencem a ramificações diferentes dentro do clado. Estas duas Marisas são encontradas desde o sul da América Central, Trinidad e Tobago, até o sul do Brasil, M. planogyra mais ao sul, e M. cornuarietis mais ao norte, com sobreposição da sua distribuição no norte do Brasil.

A Pomacea camena (uma espécie da Venezuela) está distante dos demais Pomacea na árvore genética, e junto ao clado Marisa, sugerindo que seja de outro gênero distinto dos Pomacea.


Clado Pomacea, Grupo Pomacea canaliculata


Nas classificações mais tradicionais, usa-se com alguma frequência o termo "complexo canaliculata", um grupo de espécies de ampularídeos que tem traços anatômicos em comum, em especial o aspecto da sua concha, com giros separados por uma sutura profunda e indentada (<90º), na forma de canais profundos (daí seu nome), muitas vezes sendo bastante difícil a distinção das espécies dentro deste grupo.

Na nova classificação cladística, a Pomacea canaliculata também é uma espécie modelo, representativa do clado canaliculata-insularum, ou, como foi denominado neste trabalho, clado Pomacea, grupo Pomacea canaliculata. Uma descoberta interessante é que nem todas as espécies do "complexo canaliculata" fazem parte deste clado. A Pomacea haustrum, por exemplo, pertence ao clado diffusa(bridgesii)-haustrum. Ou seja, é mais próxima do P. diffusa (a espécie mais comum em aquarismo), apesar de ser muito mais parecida com o P. canaliculata. O ponto fundamental é este: espécies muito parecidas podem ser bastante afastadas filogeneticamente (canaliculata x haustrum), e espécies morfologicamente diferentes podem ser próximas (haustrum x diffusa), mostrando como a análise morfológica isolada é falha na diferenciação das espécies.

As espécies deste clado/grupo têm ampla distribuição geográfica, desde habitats temperados na Argentina até Suriname e Venezuela, além de uma única espécie nativa do sudoeste dos EUA. Embora ainda haja bastante discussão sobre a identidade destas espécies, nas classificações mais recentes, P. canaliculata é considerada uma espécie de distribuição bastante restrita, no extremo sul da distribuição do gênero. P. maculata (previamente P. insularum) tem ampla distribuição, desde a bacia Amazônica e região do Pantanal, sendo simpátrico com o P. canaliculata no extremo sul da sua área. Estas duas espécies têm grande importância como invasores na Ásia e América do Norte.

P. lineata ocorre primariamente nas áreas de drenagem atlântica do Brasil, na distribuição original da antiga “mata atlântica”. P. dolioides ocorre mais ao norte, na Bacia Amazônica se estendendo para a Venezuela. P. paludosa é a única espécie nativa dos EUA, e ocorre também em Cuba.           

P. megastoma (de distribuição restrita ao sistema do Rio Uruguai) está inserida neste clado, espécie próxima do P. maculata. Até o momento da realização deste trabalho, esta espécie era classificada como Pomella megastoma. Existem mais duas espécies de Pomella, a Pomella americanista não foi incluída nesta análise genética, mas provavelmente é uma espécie próxima, com aspecto e distribuição semelhantes à Pomacea megastoma (as duas pertencem ao subgênero Pomella sensu strictu). Para tanto, no nosso site será também considerada uma Pomacea. Entretanto, a Pomella sinamarina (único representante do subgênero Surinamia) é encontrado bem ao norte no continente (Guiana, Suriname, Guiana Francesa e extremo norte do Brasil), também não foi incluída nesta análise, mas tem uma morfologia distinta, e talvez seja uma espécie mais afastada das outras duas (antigas) Pomella.


Clado Pomacea, Grupo Pomacea bridgesii


Chamado por muitos de clado diffusa(bridgesii)-haustrum, este grupo é “irmão” do clado canaliculata-insularum, e também contém espécies que se distribuem desde habitats temperados da Argentina até a Bacia Amazônica, mas tendem a ser encontrados nas regiões oeste-central da América do Sul. Este grupo também contém três espécies que são encontradas como invasoras fora da sua distribuição nativa, P. haustrum, P. diffusa e P. scalaris.

A Pomacea haustrum é um caso interessante, sua concha e anatomia externa lembram bastante as espécies de outro clado, o clado canaliculata-insularum.

As demais espécies têm em comum o fato de não terem as suturas profundas (90º), sendo chamadas informalmente de “complexo bridgesii”. Têm os ombros dos giros quadrados, em especial o Pomacea scalaris, esta espécie sendo por este motivo a única dentre todos os Pomacea que pode ser facilmente e seguramente identificada com base somente na sua concha. Pomacea diffusa, a espécie mais comumente encontrada no aquarismo, pertence a este grupo.


Clado Effusa


Este grupo engloba as Pomaceas do sub-gênero Effusa, sendo chamada por alguns de clado glauca-effusa. Pensava-se que eram ampulárias mais afastadas filogeneticamente das demais Pomacea, e mais próximas das Marisa. Porém, a análise genética demonstrou exatamente o oposto: estão numa localização mais central na árvore do que os animais do clado flagellata, e estão relativamente distantes dos Marisa.


Clado Flagellata


Excluído o P. papyracea, os Pomacea membros do clado Flagellata estão numa posição basal, externamente a todos os demais ampularídeos americanos, inclusive de outros gêneros (Marisa, Asolene e Felipponea).

Por ora, este clado é composto por três Pomacea, duas espécies irmãs centro-americanas (P. flagellata e P. patula), e pela espécie brasileira Pomacea sordida, com distribuição restrita em torno do estado do Rio de Janeiro.

A Pomacea sordida é um outro exemplo de discordância entre a sua morfologia e filogenética, sua concha e anatomia externa lembrando bastante as espécies do grupo P. bridgesii.

As demais espécies compõem o que se chama “complexo flagellata”, ou “grupo Ampullaria ghiesbrechtii”, um grupo centro-americano de ampulárias com conchas globosas e suturas rasas (>90º).




Aspecto dos ovos, e relação com Filogenia


            A análise do aspecto dos ovos (e cachos de ovos) de Ampularídeos é uma ferramenta complementar bastante interessante para auxiliar a identificação das espécies, e fornece insights bem ricos sobre a filogenia dos diversos grupos.

            Como já comentado previamente, a análise exclusiva da anatomia do animal (concha e partes moles) não é suficiente para a identificação dos grupos e espécies. Um exemplo interessante é a Pomacea haustrum, que lembra espécies do "complexo canaliculata", mas pertence a um clado diferente (bridgesii-haustrum). Entretanto, o aspecto dos ovos (sua forma prismática de agrupamento) é semelhante aos demais membros do grupo. Ou seja, talvez a análise dos ovos seja uma forma complementar e bastante útil de identificação. Das espécies que foram até o momento investigadas com análises moleculares, a única exceção conhecida é a Pomacea dolioides, que pertence ao clado canaliculata, mas tem ovos com arranjo prismático.




Exemplos de cachos de ovos de diversas espécies de Pomacea, todas em escala (barra mede 5 cm). Além da variação na dimensão dos ovos, note também a variação nas cores e padrões de compactação dos cachos. Adaptado de Rawlings TA, et al. 2007. (quarta referência, Licença Creative Commons).



          Outra reflexão interessante é sobre a oviposição aérea e aquática. Sempre se imaginou que as espécies com oviposição aérea sejam mais adaptadas e recentes, descendendo das espécies mais "primitivas" com oviposição aquática. Porém, a chave cladistica sugere justamnete o oposto, colocando o clado Marisa em uma posição menos basal na chave. Talvez, semelhante aos moluscos Pulmonados, estas espécies estejam migrando novamente ao ambiente aquático, e sejam filogeneticamente mais recentes do que as Pomacea.





Cladograma simplificado com imagens de ovos das principais espécies, e informações sobre o local de oviposição. Adaptado de Hayes KA, et al. 2009 (oitava referência). Créditos fotográficos: Stijn Ghesquiere (1), Midori Nishioka (2), Claudine & Pierre Guezennec (3), Bill Frank (4, 6, 7, 8, 9, 10), Walther Ishikawa (5), Terri Bryant (11, 12, 13).




Bibliografia adicional:

  • Simone LRL. 2006. Land and Freshwater Molluscs of Brazil. EGB, Fapesp. São Paulo, Brazil. 390 pp.
  • Simone LRL. Comparative morphology and phylogeny of representatives of the superfamilies of architaenioglossans and the Annulariidae (Mollusca, Caenogastropoda). Arquivos do Museu Nacional, 2004,62(4):387-504.
  • Thiengo SC, Borda CE, Araújo JLB. On Pomacea canaliculata (Lamarck, 1822) (Mollusca; Pilidae: Ampullariidae). Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 1993 Mar; 88(1): 67-71.
  • Rawlings TA, Hayes KA, Cowie RH, Collins TM. The identity, distribution, and impacts on non-native apple snails in the continental United States. BMC Evolutionary Biology 2007, 7: 97
  • Hayes KA, Cowie RH, Thiengo SC, Strong E. 2012. Comparing apples with apples: clarifying the identities of two highly invasive Neotropical Ampullariidae (Caenogastropoda). Zoological Journal of the Linnean Society, London, 166(4): 689-722.             
  • Cazzaniga NJ. 2002. Old species and new concepts in the taxonomy of Pomacea (Gastropoda: Ampullariidae). Biocell, 26(1): 71-81.
  • Hayes K. A., Cowie R. H. & Thiengo S. C. (2009). A global phylogeny of apple snails: Gondwanan origin, generic relationships, and the influence of outgroup choice (Caenogastropoda: Ampullariidae). Biological Journal of the Linnean Society 98(1): 61-76.
  • Hayes KA, Cowie RH, Jørgensen A, Schultheiß R, Albrecht C, Thiengo SC. Molluscan Models in Evolutionary Biology: Apple Snails (Gastropoda: Ampullariidae) as a System for Addressing Fundamental Questions. American Malacological Bulletin 27(1-2):47-58. 2009.
  • Diupotex-Chong ME, Cazzaniga NJ, Hernández-Santoyo A, Betancourt-Rule JM. Karyotype description of Pomacea patula catemacensis (Caenogastropoda, Ampullariidae), with an assessment of the taxonomic status of Pomacea patula.  Biocell. 2004 Dec;28(3):279-85.
  • http://www.conchasbrasil.org.br/




Este artigo tem como base um texto do portal  applesnail.net , possivelmente o melhor banco de dados de Ampulárias que existe na internet. Agradecimentos a Stijn Ghesquiere, responsável pelo portal, por permitir o uso do material. Agradecemos também a Bill Frank ( Jacksonville Shell Club ), aos colegas da  Associação Francesa de Conquiliologia (AFC) , ao malacologista espanhol Jose Liétor Gallego (  El Rincón del Malacólogo ), Fábio André Faraco, Claudine & Pierre Guezennec, Midori Nishioka, Terri Bryant e Kenneth Hayes pelo uso do material fotográfico.


As fotografias de Stijn Ghesquiere e Kenneth Hayes estão licenciadas sob uma  Licença Creative Commons , assim como a imagem extraída de Rawlings TE et al. 2007 (quarta referência). As demais fotos têm seu "copyright" pertencendo aos respectivos autores.

VEJA TAMBÉM
   
Revisão da História da "Caridina cantonensis"
José María Requena - Revisão da História d...
Saiba mais
   
Meu Lagostim ficou Azul!!
Cores e Mudanças de Cores nos Lagostins
Saiba mais
   
Trocando a água durante o inverno
Kensin - Você pode trocar a água do seu aq...
Saiba mais
   
Armadilha para Larvas de Mosquito
Mateus Camboim - Larvas de Mosquito: Como ...
Saiba mais
   
Bivalves em aquários – dois interessantes artigos
Comentários sobre dois interessantes artig...
Saiba mais
   
“CrabWatching” em Manguezais
Observando caranguejos em manguezais e est...
Saiba mais
   
Experimentos de Dissolução de Conchas
Algumas experiências para avaliar a compos...
Saiba mais
   
Reprodução das Medusas de Água Doce 2
Gen-yu Sasaki - Reprodução sexuada do "C. ...
Saiba mais
   
- Lista de Espécies Ameaçadas do MMA 2014
Lista de Espécies Ameaçadas do MMA 2014 – ...
Saiba mais
   
Variedades de cor na "Pomacea diffusa" 2: Genética
Walther Ishikawa - Genética das Variedades...
Saiba mais
   
Genética das Cores de Caramujos “Ramshorn”
Variedades de cor e genética de Planorbídeos
Saiba mais
   
Dissecando Caramujos “Ramshorn”
Identificação das espécies de "Red", "Blue...
Saiba mais
 
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2017 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS