INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Artigos
 
"Atya gabonensis" – Relatório de Reprodução
 
Sandy Brolowski e Martin Kruck - Artigo descrevendo a reprodução em cativeiro do camarão filtrador "Atya gabonensis".


Atya gabonensis – Relatório de Reprodução


Prólogo:


Há algum tempo nós nos fizemos o ambicioso desafio de reproduzir em cativeiro o camarão Atya gabonensis, com o objetivo de que isto possa ser o primeiro passo para impedir que estes animais sejam coletados na natureza. Sabe-se que você precisa suplantar três dificuldades para o sucesso na reprodução:

  • Encontrar um casal,
  • Conseguir passar pelo prolongado estágio larval,
  • Transferir os filhotes de camarão para a água doce, e fazê-los crescer ali.


A reprodução deste camarão é um pouco trabalhosa. Que este fato não impeça, entretanto, ninguém de tentar!


O objetivo deste registro é oferecer a qualquer pessoa interessada em reproduzir este fascinante camarão diretrizes para se guiarem – afinal de contas, não há nenhum segredo. Usamos todas as marcas comerciais que mencionamos neste relatório, no entanto, há naturalmente muitas outras marcas que são tão boas e adequadas quanto.


Este relatório foi escrito em combinação com o nosso vídeo de reprodução. Nós observamos uma imensa quantidade de detalhes, que descrevê-los todos iria além do âmbito deste relatório. Assim, por favor, assista também o nosso vídeo e acompanhe o desenvolvimento das larvas.


Divirta-se com a leitura, e boa sorte na sua tentativa de criação!



Preparação:

Antes de qualquer coisa, você vai precisar de um aquário. No nosso caso, usamos um tanque de 60 litros da marca Juwel. Talvez alguma experiência futura mostre a viabilidade de um tanque menor. É indispensável um aquecedor, um termômetro e uma bomba de ar. Diferente do método para a reprodução de Caridina japonica, a bomba de ar não é apenas usada para aeração, mas no filtro biológico de fundo. Sem um filtro, é quase impossível manter o ambiente aquático em condições estáveis. Usamos o substrato para camarões da Dennerle. Na nossa experiência, os melhores resultados foram obtidos com fitoplâncton vivo como alimento, bem como Liquizell e, mais adiante, algum alimento um pouco mais sólido, como por exemplo, alimento fluido para Artêmia da JBL. Sal marinho - Reef Salt da Aqua Medic - foi usado para preparar a água salobra. No nosso caso, optamos por uma salinidade de 28 g/l, ou seja, um pouco mais baixa do que a concentração da água do mar. Nós monitoramos os parâmetros com testes rápidos em fita da Oase uma vez por semana. Os parâmetros foram constantes: pH 7.6-8.0, GH de 21, KH de 10-15, NO2 e NO3 zerados.


O tanque de água salobra deve ciclar por umas boas quatro semanas. O fotoperíodo é de 11 horas por dia. Durante este tempo, as bactérias e algas benéficas podem se desenvolver.



Reprodução:

Depois de concluído os preparativos, e o tanque já ciclado, estamos prontos para ir à luta. Nós sifonamos as larvas do aquário de água doce, e passamos para o aquário com água salobra.




Imediatamente após as larvas serem transferidas para o tanque de água salobra, você pode iniciar a alimentação. Durante as primeiras três semanas, nós os alimentamos com fitoplâncton quase que exclusivamente, quatro vezes por dia, a quantidade de acordo com o nosso feeling. A melhor forma de você dosar o fitoplâncton é com uma pipeta. Mesmo alimentando-os de uma forma bem generosa, a água nunca ficou realmente turva-esverdeada.


Quando estão na sua quarta semana, as larvas já podem apreender pequenas partículas de alimento. Quando você perceber que eles chegaram neste estágio de desenvolvimento, é hora de acrescentar à dieta algum alimento líquido mais espesso.




Neste meio-tempo, uma quantidade suficiente de algas deve ter se desenvolvido sobre o vidro do aquário, no equipamento do tanque e no substrato. Se você observar as larvas (que devem ter crescido visivelmente neste tempo) “pastando” no fundo, no vidro ou no equipamento, você pode introduzir à alimentação um pouco de ração em pó ou CyclopEeze, mas vá com calma e coloque somente pequenas quantidades de cada vez.




Depois do que parece ter sido uma eternidade, você poderá ver que as larvas chegaram a uma etapa em que eles se parecerão quase como um camarão totalmente desenvolvido. Eles deixam de ficar em uma posição vertical de flutuação e passam a nadar em posição horizontal, e se tornam especialmente ativos durante a noite. Durante o dia eles ficam escondidos, semelhante aos seus pais.




Como nós não tínhamos nenhuma informação sobre o momento correto de passá-los para água doce, tivemos que ir experimentando na base da tentativa e erro. Porém, obviamente gostaríamos de poupá-lo (e poupar seu camarão!) deste método.


Quando eles são quase transparentes e você pode ver as entranhas (uma pequena mancha escura no pescoço), e quando eles nadam como os adultos (e não de uma forma errática ou parecendo um tanto restritos), é chegada a hora de transferi-los para um tanque de água doce. Nosso procedimento foi o seguinte:


Encha um recipiente com água salobra do seu tanque de criação (o volume de água é você que decide) e coloque seu camarão nele. Adicione um pouco de água doce do tanque para onde ele está destinado a ir, uma vez a cada 30 minutos aproximadamente, até que a quantidade de água doce seja o dobro da quantidade de água salobra.


Para aqueles que querem ter 100% de certeza de que tudo correrá bem, deixem o camarão no recipiente por 24 horas (aerado, é claro), e observem como ele se comporta. Se eles continuarem ativos, eles estão prontos para ir para o tanque de água doce.


Agora você só precisa alimentar bem o pequeno camarão filtrador no tanque de água doce. Nós também não tínhamos nenhuma informação para esta etapa. Nós arriscamos, confiando no fato de que um tanque maduro e bem ciclado é um sistema biológico intacto com uma rica microfauna e flora funcionais. Estávamos certos – hoje, nossos filhotes de camarão estão com cerca de 1,5 cm de comprimento. Nós só alimentamos os pais, e se os filhotes comeram esta mesma comida foi realmente secundário. Usamos um filtro CristalProfi i200 da JBL neste aquário. Os pequenos camarões conseguiam entrar no filtro, mas não eram feridos ou mortos. O problema com este filtro é o espaço entre o vidro e filtro. Ele é tão grande que os camarõezinhos podem entrar ali, mas eles não são capazes de sair. Este fato custou a vida de alguns filhotes, desta forma, não podemos recomendar esse filtro para este propósito, sem estas ressalvas.




Epílogo:


Ao contrário de alguns dados que você encontra na Internet, o desenvolvimento do Atya gabonensis não demora meras 4 semanas. Nossas larvas levaram de 3 e meio a 4 meses para se desenvolver até um camarão adulto, ou seja, uns bons 120 dias.


Algum tempo atrás, nos foi informado que nenhum Atya gabonensis totalmente adulto é mais importado - não intencionalmente, mas pelo simples fato de que eles não são mais encontrados na natureza! Se isso é realmente verdade, nós não sabemos. No entanto, uma visita nas lojas de animais confirmou nossos temores. Só encontramos camarões de tamanho pequeno ou médio.


Se as coisas continuarem desta forma é fácil imaginar seu desfecho.


Nossa intenção sempre foi a de contribuir, mesmo que seja com uma pequena ajuda, na sobrevivência desta espécie no seu habitat natural, para tornar os Atya gabonensis selvagens capturados supérfluos.


Agora depende de todos nós, e desejamos a qualquer um que tente a reprodução destes fascinantes camarões boa sorte e muito sucesso.



Goettingen, 04 de maio de 2013


© por Sandy Brolowski e Martin Kruck





O Vídeo da Reprodução









Outros Vídeos com atualizações dos Atya gabonensis


Um dos filhotes, com 9 meses de idade.



Um casal nadando pelo aquário, o "vôo nupcial". É interessante observar camarões tão grandes nadando.



Fêmea carregando ovos.



Um dos maiores filhotes, na ocasião com 10,5 meses, e 2,5~3,0 cm.



Em 18/12/2013 os filhotes fizeram aniversário, estão com um ano de idade. Este vídeo foi feito na ocasião.



Dentre os filhotes havia um de cor vermelha. A cada muda a cor se tornava mais intensa.



Abaixo, fotos e um vídeo recentes (Março de 2014) com um ano e três meses de idade:











Nossos sinceros agradecimentos aos aquaristas alemães Sandy Brolowski e Martin Kruck por permitir o uso do seu material no nosso site.
VEJA TAMBÉM
   
Algas Coralinas de Água Doce
Uma interessante descoberta de 2016, em um...
Saiba mais
   
Montando seu primeiro Aquário para Camarões
André Albuquerque - Montando seu primeiro ...
Saiba mais
   
Nova espécie de esponja de água doce!
Nova espécie de esponja continental descob...
Saiba mais
   
"Se não está quebrado, não conserte!"
Dianne De Leo - Experiência sobre a troca ...
Saiba mais
   
Coloridos natural ou artificialmente?
Bill Southern - Um experimento se os camar...
Saiba mais
   
Reprodução das Medusas de Água Doce 1
Gen-yu Sasaki - Reprodução do "C. sowerbyi...
Saiba mais
   
Experimentos de Dissolução de Conchas
Algumas experiências para avaliar a compos...
Saiba mais
   
Meus camarões vão se hibridizar?
Ryan Wood - Tabela de compatibilidade de c...
Saiba mais
   
Variedades de cor na "Pomacea diffusa" 2: Genética
Walther Ishikawa - Genética das Variedades...
Saiba mais
   
"Atya gabonensis" – Relatório de Reprodução
Sandy Brolowski e Martin Kruck - Artigo de...
Saiba mais
   
Armadilha para camarões Faça-você-mesmo
Joel MacClellan - Deixe eles mesmo se capt...
Saiba mais
   
Ampularídeos
Stijn Ghesquiere - Guia básico para manter...
Saiba mais
 
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2017 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS