INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Espécies
 
Caramujo "Melanoides"  
Artigo publicado em 04/02/2012, última edição em 15/04/2017  


 

 

Outra espécie de caramujo bastante comum em aquários é o Caramujo-trombeta, Melanoides tuberculata (O.F.Müller, 1774). Ele é muitas vezes referido em sites em inglês pelo acrônimo MTS ("Malaysian Trumpet Snail"), ou como "Red-rimmed Melania". Seu nome genérico vem da semelhança com caramujos do gênero Melania. E tuberculata se refere ao aspecto esculturado e com tubérculos da sua concha. Embora em literatura científica seja mais comum encontrá-lo grafado desta forma, alguns autores defendem que o nome correto é Melanoides tuberculatus, já que o sufixo -oides denota uma palavra masculina.

São geralmente pequenos, medindo cerca de 3~4 cm, mas existem relatos de animais norte-americanos com até 8 cm de comprimento. Possuem uma concha alongada e em forma de torre, rugosa e esculturada, com finos vincos verticais. Cor clara marrom ou esverdeada, com pequenas manchas vermelho-ferrugem. Possuem um opérculo escuro. Sua cabeça é achatada, parecendo uma língua. Possui duas antenas delgadas, com pequenos olhos junto à base. Podem ser confundidos com o gênero nativo Aylacostoma, relativamente comuns na bacia do alto Paraná (veja sua ficha  aqui  ).

 

É uma espécie originária de climas tropicais e subtropicais, sua distribuição nativa é bem ampla, do oeste da África ao sudeste da Ásia. Foi inicialmente descrita a partir de espécimes da Índia, mas análises filogenéticas sugerem uma origem africana. É encontrada como espécie invasora em todo o cinturão intertropical do globo, nas três Américas, Europa e Oceania. Mesmo na sua distribuição nativa africana, são encontradas populações invasoras de outras localidades. É uma das espécies com maior capacidade de bioinvasão, como veremos adiante. No Brasil, já foram detectados em 19 estados, além do Distrito Federal. O primeiro registro é de 1967, em Santos (SP), e acredita-se que estes tenham sido animais liberados na natureza por aquaristas, semelhante ao que ocorreu nos EUA. Um trabalho recente (2014) realizado em Sergipe mostra que o aquarismo continua sendo uma importante fonte de introdução e dispersão desta espécie invasora.

 

 


Close de um Melanoides tuberculata sobre um caramujo planorbídeo. Vejam como esta espécie tem um "pescoço" bem evidente. Foto de Walther Ishikawa.




Filogenética

 

            Achados interessantes têm surgido em publicações recentes, envolvendo análises moleculares destes caramujos. Dois trabalhos se destacam, onde foram realizadas análises de DNA mitocondrial (COI, 16S e 12S) de um grande número de animais amostrados de mais de 40 populações distribuídas ao longo do globo (Facon e cols. 2003 e Van Bocxlaer e cols. 2015). Foi vista uma grande heterogeneidade genética no que hoje é chamado de Melanoides tuberculata, caracterizando pelo menos quatro clados distintos, três deles com distribuição geográfica bem definida (África e Oriente Médio, Pacífico e Sudeste Asiático). Trata-se de um táxon parafilético, muito provavelmente um complexo de espécies ao invés de uma única espécie.
             Os espécimes brasileiros (de Sumidouro, RJ) se inserem no Clado 4, um clado grande e heterogêneo com origem no Sudeste Asiático, o clado incluindo outros caramujos de outras localidades americanas (EUA, México, Peru), e alguns exemplares africanos. 







Close na região cefálica de um Melanoides tuberculata. Fotos de Fernando Barletta.



Melanoides nos aquários

 

É bastante controverso se a presença destes caramujos é benéfica ou maléfica no aquário. Muitos aquaristas defendem suas qualidades, alegando até que é uma presença obrigatória em todos os aquários. Não é um animal que destrói plantas, é útil se alimentando de restos de ração e folhas mortas, e não deposita ovos nos vidros. Tem hábitos noturnos, passa o dia enterrado no substrato, sua presença passando quase despercebida. Geralmente se alimenta enquanto está enterrado, de detritos em meio ao cascalho, em locais de difícil acesso à sifonagem. Elimina fezes em meio ao cascalho, adubando as plantas. Neste processo, caminha por baixo do substrato, evitando a sua compactação e propiciando a circulação junto às raízes das plantas. Porém, se enterra somente nas camadas mais superficiais, não chega a escavar buracos, ou expor a camada fértil. Quando vemos o substrato se mexendo durante dia, são os Trombetas caminhando. Alguns aquaristas até mantém uma colônia destes caramujos dentro do filtro.

Porém, é um animal com uma taxa de reprodução impressionante, e infestações em aquários são bem comuns. Embora dióicos, são caramujos que se reproduzem quase sempre por partenogênese, gerando cópias de si mesmo sem fecundação. São vivíparos (na realidade, ovovivíparos), não botando ovos, e gerando diretamente pequenos caramujinhos com 1 a 2 mm. E estes atingem maturidade sexual rapidamente, estando aptos à reprodução com cerca de 3 mm. Nos aquários, muitas vezes a superpopulação mal é perceptível durante o dia. Entretanto, à noite saem às centenas do substrato, escalando os vidros do tanque, para se reproduzirem próximo à superfície. Na natureza, já foram descritas densidades de até 100.000 animais por metro quadrado.

 

 


Melanoides tuberculata sobre um galho submerso. Veja os pequenos olhos. Foto de Walther Ishikawa.



M. tuberculata caminhando no vidro. Note o pé curto e largo, com pequenos pontos de pigmentação. Foto de Walther Ishikawa.



Caramujos indestrutíveis?!

 

São animais bastante robustos, sendo encontrados em ambientes degradados, hipóxicos e poluídos. É tolerante à salinidade, em um trabalho brasileiro, a concentração letal para 50% (CL50) foi de 22,8%o, mas em condições experimentais pode sobreviver por curtos períodos a uma salinidade de até 45%o. Mesmo na natureza, já foi coletado em locais com salinidade próxima do mar (35%o). Tolera também  uma ampla faixa de temperatura, entre 16 e 37º C. Entretanto, resiste por algum tempo em condições ainda mais extremas, sendo registrados casos de disseminação desta espécie junto a pescados conservados em gelo. A temperatura letal também é alta, de 50º C. São menos propensos a erosão das conchas, podendo assim ser mantido em pHs mais baixos.

Existe um trabalho norte-americano bem interessante onde foram avaliados catorze desinfetantes e moluscidas, e seu efeito sobre o Melanoides (Mitchell et al.). Nenhuma das catorze substâncias conseguiu exterminar todos os moluscos em imersão de 10 minutos. Com uma hora de imersão, houve morte de todos os caramujos somente com dois desinfetantes laboratoriais (Roccal® e Virkon®). Outros medicamentos conseguiram exterminar os animais somente com 24 horas de imersão (o antiparasitário Niclosamida e o herbicida Endothol). É interessante notar também os vários tratamentos que não exterminaram todos os caramujos: Água sanitária pura, Etanol 70%, Formaldeído 10%, Permanganato de Potássio a 1000 ppm, Sulfato de Cobre, o desinfetante Lysol®, e o desinfetante de piscinas Baquacil®. Neste mesmo trabalho, os caramujos sobreviveram por uma hora em ambientes com pH de 1,0 e 13,0.

Outra tese brasileira de 2002 estudou a sobrevivência à dessecação desta espécie, com exemplares de açudes do semi-árido paraibano. Mesmo após 26 meses de dessecação, 1% dos pouco mais de 500 animais analisados continuavam vivos e férteis.

Desta forma, quando se instalam nos nossos aquários, eliminá-los é quase impossível. Existem diversos relatos de aquários desmontados e desinfetados, sem sucesso na sua erradicação. Geralmente sua população se estabiliza, não havendo superalimentação e com limpezas periódicas. Alguns peixes comem estes caramujos, como Botias, Baiacus e Paraísos, mas os Melanoides possuem conchas mais duras e espessas, dificultando a predação. Na natureza, o Leporinus muitas vezes é usado como agente de controle biológico.

 





Grande quantidade de conchas de
M. tuberculata às margens do Açude / Reservatório da Marcela, em Itabaiana, SE. Foto de Juliano Ricardo Fabricante.




Aspectos médico-sanitários

 

Esta espécie de caramujo tem importância médico-sanitária, em virtude de duas razões: o caramujo é o primeiro hospedeiro intermediário de vários vermes trematódeos, alguns dos quais parasitam o homem e, além disso, vem sendo empregado em certos países no controle de planorbídeos susceptíveis à infecção por Schistosoma mansoni.

O Trombeta constitui um dos elos na cadeia de transmissão natural do Paragonimus westermani e Clonorchis sinensis, ambos vermes patogênicos para o homem. O primeiro não tem possibilidade de instalar-se entre nós, por falta do segundo hospedeiro intermediário. Já o mesmo não acontece com Clonorchis.

Clonorchis sinensis, parasita das vias biliares do homem, ocorre em vários países asiáticos. Seus ovos, eliminados com as fezes do portador, são deglutidos por caramujos (várias espécies, dentre eles, o Melanoides), aonde vão se desenvolver. Originam formas livres que penetram e se encistam em cerca de oitenta espécies de peixes. O hospedeiro definitivo infecta-se ao comer o peixe cru ou mal cozido, conforme é hábito nos países asiáticos. Existem vários casos da doença descritos no Brasil.

Assim como os Planorbídeos e Lymnaea, uma das maiores causas de introdução destas espécies na natureza (se não a maior) são aquaristas. Muito cuidado deve ser tomado na eliminação de água de TPAs, restos de podas e substrato na natureza, evitando seu contato com corpos d´água. Ainda mais porque, sendo operculados, os Melanoides podem sobreviver muito tempo fora d´água, especialmente se o ambiente for úmido (anos!). Por outro lado, não há risco médico na manutenção destes caramujos para o aquarista (somente se alguém tiver o hábito de comer os seus peixes de aquário crus!). Mas sempre é bom lembrar que estes caramujos podem abrigar vários outros parasitas de peixes e outros animais. Por exemplo, um parasita intermediado por este caramujo está colocando em risco uma espécie ameaçada de extinção no Texas (EUA). Existe um trabalho onde foram identificadas 37 espécies de trematóides numa população de Trombetas. Assim, muita cautela na introdução proposital destes caramujos no aquário, se forem coletados na natureza, ou tiverem origem suspeita.

 

Paradoxalmente, apesar de todos os riscos descritos acima, o Melanoides já foi muito utilizado como agente de controle biológico. Por ser uma espécie muito prolífica, em determinadas circunstâncias consegue excluir, por competição, outros moluscos com que convive no mesmo meio. Ainda é usado para controle biológico do vetor da esquistossomose na República Dominicana e Porto Rico, e o foi por muito tempo em nosso país. Nos locais onde foi introduzido, houve sucesso na redução da população de Biomphalarias, mas muitas vezes à custa de extinção da malacofauna nativa.

 

 

Melanoides tuberculata, nesta foto é bem visto o aspecto da sua concha. O opérculo também é visível. Foto de Walther Ishikawa.

 

Bibliografia:

  • Vaz JF, Teles HMS, Correa MA, Leite SPS. Ocorrência no Brasil de Thiara (Melanoides) tuberculata (O.F. Muller, 1774) (Gastropoda, Prosobranchia), primeiro hospedeiro intermediário de Clonorchis sinensis (Cobbold, 1875) (Trematoda, Plathyhelmintes). Rev. Saúde Pública. 1986 Aug; 20(4): 318-322.
  • Souto LS, Brito MFG, Rosa LC. Melanoides tuberculatus (Müller, 1774): a new threat to the conservation of native aquatic species in Sergipe, Brazil.. Scientia Plena, v. 7, p. 042401-1, 2011.
  • Pinto HA, de Melo AL. A checklist of trematodes (Platyhelminthes) transmitted by Melanoides tuberculata (Mollusca: Thiaridae). Zootaxa 2799: 15-28, 2011.
  • http://www.institutohorus.org.br/download/fichas/Melanoides_tuberculatus.htm
  • http://el.erdc.usace.army.mil/ansrp/ANSIS/html/melanoides_tuberculata_red_rimmed_melania.htm
  • Dudgeon D. The life cycle, population dynamics and productivity of Melanoides tuberculatus in Hong Kong. Journal of Zoology, vol. 208, p. 37-53, 1986.
  • Okumura DT. Estudos ecológicos e ecotoxicológicos de Melanoides tuberculata Müller, 1774 (Gastropoda, Thiaridae), espécie exótica para a região neotropical. São Carlos, SP: Universidade de São Paulo. 159 p. 2006. Dissertação de Mestrado.
  • http://nas.er.usgs.gov/queries/factsheet.aspx?SpeciesID=1037
  • Mitchell AJ, Hobbs M, Brandt T. The effect of chemical treatments on Melanoides tuberculatus, and exotic snails that serve as vectors of trematodes to fish and other species in the United States. North American Journal of Fisheries Management. 2007. 27:1287-1293.
  • http://www.skepticalaquarist.com/melanoides-tuberculata
  • Abílio FJP. Gastrópodes e outros invertebrados bentônicos do sedimento litorâneo e associados a macrófitas aquáticas em açudes do semi-árido paraibano, nordeste do Brasil. São Carlos, SP: Universidade Federal de São Carlos. 2002. Dissertação de Doutorado.
  • Assis DAS, Cavalcante SS, Brito MFG. Aquarium trade as a potential disseminator of non-native invertebrates in Northeastern Brazil. Neotropical Biology and Conservation. 2014. 9(2): 115-119.
  • Farani GL. Tolerância do gastrópode bioinvasor Melanoides tuberculatus (Müller, 1774) à salinidade. Salvador, BA: Universidade Federal da Bahia, 2013. Dissertação de Bacharelado.
  • Bolaji DA, Edokpayi CA, Samuel OB, Akinnigbagbe RO, Ajulo AA. Morphological characteristics and Salinity tolerance of Melanoides tuberculatus (Muller, 1774). World Journal of Biological Research, Lagos, NG, v. 4, n. 2, p. 1-11, 2011.
  • Facon B, Pointier JP, Glaubrecht M, Poux C, Jarne P, David P. A molecular phylogeography approach to biological invasions of the New World by parthenogenetic Thiarid snails. Mol Ecol. 2003 Nov;12(11):3027-39.
  • Van Bocxlaer B, Clewing C, Mongindo Etimosundja JP, Kankonda A, Wembo Ndeo O, Albrecht C. Recurrent camouflaged invasions and dispersal of an Asian freshwater gastropod in tropical Africa. BMC Evol Biol. 2015 Mar 7;15:33.
  • Mitchell AJ, Brandt TM. (2005). Temperature Tolerance of Red-Rim Melania Melanoides tuberculatus, an Exotic Aquatic Snail Established in the United States. Transactions of the American Fisheries Society. 134: 126-131.
  • Latini AO, Resende DC, Pombo VB, Coradin L. (Org.). Espécies exóticas invasoras de águas continentais no Brasil. Brasília: MMA, 2016. 791p. (Série Biodiversidade, 39)



Agradecemos ao aquarista Fernando Barletta e ao biólogo Juliano Ricardo Fabricante pela cessão das fotos para o artigo.


As fotografias de Walther Ishikawa estão licenciadas sob uma  Licença Creative Commons . As demais fotos têm seu "copyright" pertencendo aos respectivos autores.  
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2018 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS