INÍCIO ARTIGOS ESPÉCIES GALERIA SOBRE EQUIPE PARCEIROS CONTATO
 
 
    Espécies
 
"Leptuca uruguayensis"  
Artigo publicado em 26/06/2012, última edição em 24/01/2017  



Caranguejo Chama-MaréLeptuca uruguayensis


Nome em português: Caranguejo Uca, Chama-maré, Caranguejo Violinista
Nome em inglês: Marbled Fiddle Crab
Nome científico: Leptuca
uruguayensis (Nobili, 1901)
Origem: Costa atlântica
sul da América do Sul
Tamanho: carapaça com largura de 1,4 cm
Temperatura:
15-25° C
Salinidade: tolerante a variações
Reprodução: primitiva, larvas se desenvolvem no mar
Comportamento: pacífico
Dificuldade: fácil





Os caranguejos chama-marés (também chamados caranguejos-violinistas) são pequenos caranguejos semi-terrestres que habitam zonas costeiras, bastante comuns em manguezais, marismas e estuários. Pouco mais de cem espécies já foram registradas, até há pouco tempo todas pertenciam ao gênero Uca, divididas em 12 subgêneros.

Porém, em 2016 foi realizada uma cuidadosa revisão da família Ocypodidae por Shih e colaboradores, baseada em dados moleculares, combinando informações nucleares (28S rDNA) e mitocondriais (16S rDNA e subunidade I de citocromo oxidase – COI). Este trabalho trouxe algumas importantes modificações na sistemática dos chama-marés.

O gênero Uca foi invalidado, todos os subgêneros passando a ganhar status de gênero. Desta forma, o único chama-maré brasileiro que mantém o gênero Uca é o U. maracoani, já que pertencia previamente ao gênero Uca, subgênero Uca. Todos os demais devem ser designados como Minuca rapax, Leptuca uruguayensis, e assim por diante. Porém, é provável que os chama-marés continuem sendo chamados popularmente de "Ucas" por algum tempo.

O antigo gênero Uca mostrou-se parafilético, pertencendo a dois clados amplamente divergentes. Desta forma, a família Ocypodidae passa a ser classificada da seguinte forma: O antigo subgênero Uca (e um gênero africano) agrupam-se com os caranguejos maria-farinha (Ocypode), constituindo a subfamília Ocypodinae. Todos os demais chama-marés conhecidos são monofiléticos (inclui as demais nove espécies brasileiras), e agrupam-se na subfamília Gelasiminae. Os Uçás (Ucides) voltam a pertencer a Ocypodidae, constituindo a terceira subfamília, Ucidinae.

Outras informações gerais dos chama-marés podem ser vistas nos dois textos introdutórios presentes na seção  "artigos" . Sugerimos a sua leitura previamente à desta ficha.



Apresentação


O Leptuca uruguayensis é a espécie brasileira de chama-maré com distribuição mais meridional, mais adaptada a climas frios. Assim como os outros dois pequenos Leptuca, é uma espécie pequena e delicada, com uma belíssima coloração vermelha nas pernas e garras. Esporadicamente é vista à venda nas lojas de aquarismo.

Etimologia: Leptuca vem do grego leptos (pequeno, delicado) e Uca, o nome original do gênero dos chama-marés. Uca tem uma etimologia bem interessante, explicada no artigo principal. E uruguayensis significa originário do Uruguai.







Colônia de Leptuca uruguayensis, fotografado em um mangue próximo ao Aeroporto do Galeão, Ilha do Governador, Rio de Janeiro, próximo ao limite norte da distribuição desta espécie. São na maioria animais com padrão de cor pré-alvejamento. Na terceira foto, pode ser visto um caranguejo parcialmente alvejado, ao fundo. Fotos gentilmente cedidas por Fábio Lima Ferreira.



Leptuca uruguayensis, macho em coloração reprodutiva, realizando movimentos de exibição com sua quela. Fotografado no manguezal do Rio Escuro, Ubatuba, SP. Fotos de Walther Ishikawa.



Leptuca uruguayensis macho, mostrando sua típica coloração reprodutiva, alvejamento parcial e membros de intenso vermelho. Fotografado em Guaratiba, RJ, foto de Walther Ishikawa.





Distribuição geográfica de Leptuca uruguayensis. Imagem original Google Maps; dados de Melo GAS 1996.



Origem e habitat

            É uma espécie com distribuição geográfica mais restrita, encontrada somente na região sul e sudeste da América do Sul, na sua costa atlântica. Habitam climas subtropicais e temperados, ocorrendo desde o Rio de Janeiro, Uruguai até Argentina (RJ a RS no Brasil). A população de Mar Chiquita, Provincia Buenos Aires, Argentina é a colônia mais localizada ao sul de caranguejos chama-maré do mundo.

            Seu habitat típico é nas proximidades de manguezais no Brasil, em estuários, e marismas argentinos, em terreno lodoso-arenoso ou lodoso, rico em matéria orgânica. Ocorre em locais abertos, expostos ao sol, ou parcialmente abrigados. É uma espécie eurihalina, adaptando-se a diferentes salinidades.


O Leptuca uruguayensis mostra uma surpreendente plasticidade em se tratando de nichos ambientais ocupados, a depender da presença ou não de espécies congêneres.


            Ao norte de Florianópolis (SC), o L. uruguayensis co-habita com o M. rapax e L. leptodactyla os substratos arenosos da zona entre-marés, onde ele está limitado às áreas sombreadas mesosalinos a eusalinos. Porém, ao sul de Florianópolis, onde é a única espécie de chama-maré, o L. uruguayensis ocupa diversos habitats, desde substratos lodosos, lamacentos a puramente arenoso, e de oligosalinos a hipersalinos, constituindo uma espécie oportunista que ocupa nichos vagos pelas espécies mais tropicais e subtropicais.

Aparentemente, quando as pressões de competição interespécies relaxam, o L. uruguayensis se expande para um habitat menos favorável, e sobrevive. Quando confrontado por congêneres de uma latitude mais elevada, o L. uruguayensis seleciona uma espectro mais estreito de características ambientais que ocupa com uma eficiência alimentar e osmoregulatória maior.

 



















Um marisma na Reserva Natural de Punta Rasa, em San Clemente del Tuyú (Argentina). Colônia de
Leptuca uruguayensis. No local, haviam também numerosos Neohelice granulata. Fotos gentilmente cedidas pelo aquarista argentino Hernán Chinellato.


Aparência

 

Assim como os dois outros típicos pequenos Leptuca brasileiros, o Leptuca uruguayensis é um pequeno e delicado chama-maré com carapaça semi-cilíndrica. Possui fronte um pouco mais estreita do que as duas outras espécies. Machos podem ser distinguidos do Leptuca leptodactyla pelo formato da garra, e geralmente a distinção do Leptuca cumulanta é fácil pelo formato da borda da carapaça, fusão de segmentos abdominais, coloração e local de coleta.

O Leptuca leptodactyla e o L. uruguayensis são as únicas espécies brasileiras que apresentam uma intensa mudança de coloração durante a exibição sexual. No Leptuca uruguayensis o “alvejamento” (“whitening”) também é intenso, pode ocorrer somente na carapaça, ou se estender para a garra maior do macho. É precedida por uma fase com carapaça verde, e um intenso vermelho ou vermelho-alaranjado na garra e pernas.

 


Leptuca uruguayensis, macho, fotografado em São Francisco do Sul, Santa Catarina. No local, eram simpátricos com Leptuca leptodactyla. Foto cedida por César Arzua, assim como a primeira imagem deste artigo.



Leptuca uruguayensis, macho em coloração reprodutiva, fotografado na Marisma da Barra, Estuário da Lagoa dos Patos, Rio Grande (RS). Foto cedida por André Colling.




Leptuca uruguayensis, macho em coloração reprodutiva, fotografado no manguezal do Rio Escuro, Ubatuba, SP. Fotos de Walther Ishikawa.


Peculiaridades na manutenção em aquaterrários

O Leptuca uruguayensis é eventualmente vista á venda no comércio de animais, por ser uma espécie com belo colorido, e relativamente adaptável a menores salinidades. Porém, não vive bem a longo prazo em água doce, morrendo em questão de semanas ou meses. Dadas as condições adequadas, pode ser criada com sucesso em paludários salobros.

 


Leptuca uruguayensis, comprado em uma loja de aquários, em São Paulo, SP. Foto cedida por Rodrigo Machini.



 

Bibliografia:

  • Melo GAS. Manual de Identificação dos Brachyura (caranguejos e siris) do litoral brasileiro. São Paulo: Plêiade/FAPESP Ed., 1996, 604p.
  • Crane J. 1975. Fiddler crabs of the world. Ocypodidae: Genus Uca. New Jersey: Princepton University Press, 736p.
  • Thurman CL, Faria SC, McNamara JC. The distribution of fiddler crabs (Uca) along the coast of Brazil: implications for biogeography of the western Atlantic Ocean. Marine Biodiversity Records 01/2013; 6:1-21.
  • Bezerra LEA. The fiddler crabs (Crustacea: Brachyura: Ocypodidae: genus Uca) of the South Atlantic Ocean. Nauplius 2012; 20(2): 203-246.
  • Koch V, Wolff M, Diele K. Comparative population dynamics of four fiddler crabs (Ocypodidae, genus Uca) from a North Brazilian mangrove ecosystem. Marine ecology. 2005, vol. 291, pp. 177-188.
  • Masunari S. Distribuição e abundância dos caranguejos Uca Leach (Crustacea, Decapoda, Ocypodidae) na Baía de Guaratuba, Paraná, Brasil. Rev. Bras. Zool. 2006, vol.23, n.4, pp. 901-914.
  • Bede LM, Oshiro LMY, Mendes LMD, Silva AA.. Comparação da estrutura populacional das espécies de Uca (Crustacea: Decapoda: Ocypodidae) no Manguezal de Itacuruçá, Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Bras. Zool. 2008, vol.25, n.4 pp. 601-607.
  • Shih HT, Ng PKL, Davie PJF, Schubart CD, Türkay M, Naderloo R, Jones D, Liu MY. 2016. Systematics of the family Ocypodidae Rafinesque, 1815 (Crustacea: Brachyura), based on phylogenetic relationships, with a reorganization of subfamily rankings and a review of the taxonomic status of Uca Leach, 1814, sensu lato and its subgenera. The Raffles Bulletin of Zoology, 64:139-175.

 

 
 

 

 

Agradecimentos especiais a Fábio Lima Ferreira, Hernán Chinellato, Rodrigo Machini, César Arzua e Dr. André Colling (Instituto de Oceanografia - FURG) pela cessão das fotos para o artigo. Somos muito gratos também à ecóloga Ravena Sthefany Alves Nogueira por valiosas informações sobre a taxonomia destes animais.





As fotografias de Walther Ishikawa estão licenciados sob uma Licença Creative Commons. As demais fotos têm seu "copyright" pertencendo aos respectivos autores.

 
« Voltar  
 

Planeta Invertebrados Brasil - © 2018 Todos os direitos reservados

Desenvolvimento de sites: GV8 SITES & SISTEMAS